Campos dos Goytacazes, RJ, atinge recorde de casos de Covid-19, com 144 confirmações em um só dia

0

Marca foi atingida no último dia 14; no dia anterior foram mais 114.

No último dia 14 Campos teve um recorde de casos confirmados da Covid-19, com 144 notificações. No dia anterior (13), outro recorde até então: 114 confirmações. O município não havia registrado números tão elevados em um único dia desde o início da pandemia, embora no mês de maio o número de leitos hospitalares ocupados se aproximou de 100% .

No último final de semana, a média diária de casos ficou em torno de 75. Mas os dados do sábado (15) e do domingo (16) podem ser ainda maiores, já que alguns casos registrados nestes dias costumam entrar no sistema ao longo da semana.

Desde junho, a Prefeitura de Campos promoveu uma série de flexibilizações no decreto que prevê a retomada da atividade econômica e social da cidade, possibilitando a reabertura de bares, restaurantes, academias, shoppings, entre outros. Desde então, não é difícil observar flagrantes de desrespeito aos protocolos de segurança, como festas e aglomeração em bares, tanto na sede do município quanto no interior.

Apesar de os números terem crescido — só em agosto foram 801 confirmações (mas o total desde o início da pandemia é de 3.876, até domingo) — a Prefeitura de Campos afirma que a ainda não há problemas de leito na cidade. “Nesta segunda (17), a ocupação total de leitos direcionados a pacientes de Covid-19 é de 65% na UTI e 41% de ocupação na clínica médica”, ressaltou o órgão, em nota. No Hospital Dr. Beda, que também atende pacientes com coronavírus pelo SUS, a taxa de ocupação dos leitos de UTI é de 75%.

O infectologista Nélio Artiles lembra que os números de um determinado dia são sempre reflexo de 10 a 14 dias atrás. Por isso, os próximos dias podem representar preocupação, visto que flagrante de desrespeito tem sido frequente.

“O problema não é a flexibilização, mas o desrespeito e o desprezo pelas regras de distanciamento. Houve uma ruptura de limite, principalmente dos jovens. Temos visto bares lotados, praias com aglomeração, pessoas sem máscara. As próximas semanas são motivos de preocupação justamente por causa desse desrespeito todo. É preciso reforçar a necessidade do senso de responsabilidade de cada um, para que os números não continuem em alta. Também é importante lembrar que a Covid-19 é uma doença potencialmente grave, existe a possibilidade real de agravamento do quadro até entre jovens”, alertou o infectologista.

Na mesma nota enviada à redação do Jornal Terceira Via, a Prefeitura de Campos informou que disponibiliza para o atendimento à Covid-19 cerca de 230 leitos em hospitais próprios e contratualizados – Centro de Controle e Combate ao Coronavirus, Hospital Geral de Guarus, Hospital Ferreira Machado, UPH São José, Santa Casa de Misericórdia, Hospital dos Plantadores de Cana e Hospital Escola Álvaro Alvim. Também há disponibilidade de leitos no Hospital Dr. Beda prioritários para pacientes cardíacos e oncológicos.

“Desde o início do enfrentamento ao novo coronavírus, a Vigilância em Saúde recebe, diariamente, informações de todas as unidades hospitalares em relação a ocupação de leitos dedicados ao tratamento da Covid-19, inclusive em relação a casos suspeitos, em isolamento. Importante lembrar que a Secretaria Municipal de Saúde detém informações não só sobre leitos dedicados à Covid-19, mas de toda oferta de leitos no município (próprios, contratualizados e particulares). Essa é uma premissa básica tanto para regulação como para a gestão da saúde pública”, afirmou.

Em relação a algumas denúncias que circularam pelas redes sociais durante o último final de semana, dando conta de que o percentual de ocupação de leitos dos hospitais por pacientes com coronavírus seria bem maior que o divulgado pela Prefeitura, a Vigilância em Saúde disse que “lamenta a divulgação de fatos inverídicos, que podem atingir, diretamente, a população. O município está atento aos indicativos para qualquer medida que se faça necessária para atendimento à população”, finalizou a nota do órgão.

A equipe de reportagem questionou a Prefeitura sobre os picos da doença atingidos nos últimos dias 13 e 14. Em nota, informou que em maio, a ocupação de leitos aptos ao tratamento da Covid-19 chegou próximo a 100%, o que culminou no decreto de lockdown. “Importante destacar que o município saiu de nenhum leito apto ao tratamento da Covid-19 para cerca de 200 leitos em tempo recorde e o hospital de Campanha, prometido pelo governo do Estado, e que poderia ampliar a capacidade de atendimento no município, não saiu do papel. Nesta segunda-feira (17), a ocupação dos leitos públicos (próprios e contratualizados) aptos ao tratamento da Covid-19 é de 64% em UTI e 44% em leitos clínicos”.

A quantidade (número absoluto) de leitos disponíveis em maio e agosto não foi revelada. Fonte: Terceira Via

Campartilhe.

Comentários desativados.