MEC erra em notas do Enem e diz que vai corrigir problema

0


Presidente do Inep diz que falha pode atingir 1% dos candidatos, cerca de 39 mil pessoas

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, informou neste sábado (18) que notas do Enem foram divulgadas com erros. O motivo foi uma falha na gráfica que passou a imprimir a prova no ano passado.

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) liberou na sexta-feira (17) os resultados individuais da última edição do exame. À noite, participantes começaram a relatar nas redes sociais estranhamento com as notas.

Weintraub publicou vídeo na manhã deste sábado nas redes sociais em que assume a falha. \\”Encontramos inconsistências na contabilização e correção da segunda prova do Enem\\”, disse. Naquele dia, os candidatos fizeram as provas de matemática e ciências humanas.

O ministro disse que o impacto em número de candidatos foi pequeno, mas não detalhou a dimensão do problema.
Quase 4 milhões de pessoas participaram do exame.

\\”Um grupo muito pequeno de pessoas teve o gabarito trocado quando foi [sic]fechado os envelopes\\”, disse.

Mais tarde, o presidente do Inep, Alexandre Lopes, disse que quatro casos de erros foram confirmados e as falhas podem chegar a 1% dos candidatos, ou seja, cerca de 39 mil pessoas.

Entretanto, o órgão admite que só terá dimensão real do problema na segunda-feira, porque as equipes vão continuar a analisar os arquivos em busca de problemas. Lopes concedeu entrevista sozinho, sem a presença do ministro, apesar de Weintraub ter estado no Inep na manhã de sábado para gravar o vídeo publicado.

Os quatro casos confirmados são de candidatos na cidade Viçosa (MG). Mas há possibilidade de erros em notas de participantes de outros estados.

O erro aconteceu na identificação dos candidatos e da respectiva cor de sua prova. Todos os candidatos fazem a mesma prova, mas há versões diferentes, com itens em outra ordem, identificadas por cores.

Por causa da falha, o sistema corrigiu provas como se fossem de outra cor. O problema ocorreu na gráfica que imprimiu as provas, segundo o presidente do Inep.

Em março do ano passado, a gráfica que imprimia o Enem desde 2009, a RR Donnelley, faliu. O governo preferiu contratar a segunda colocada na última licitação ao invés de fazer novo certame. A gráfica Valid foi então contratada para o serviço, mesmo sem ter experiência em serviços parecidos com o Enem.

Funcionários do Enem relataram ao longo do ano os riscos de problemas com a gráfica, que foram minimizados pelo governo.

Como a gráfica era nova no trabalho, o processo para impressão foi todo muito corrido, de acordo com relatos ouvidos pela Folha. A própria gráfica não tinha infraestrutura adequada para armazenar e manusear os malotes que seriam despachados.

O Inep, assim como outras áreas do MEC, passou por diversas mudanças em cargos importantes, o que atrapalhou os trabalhos internos no órgão.

Alexandre Lopes já é o terceiro a presidir o órgão sob a gestão Jair Bolsonaro. Houve diretoria do instituto que ficou cerca de cinco meses sem titular.

Apesar da falha, Lopes disse estar satisfeito com o trabalho da gráfica e se esquivou a responder se a inexperiência da empresa possa ter colaborado com o problema.
\\”Não tenho informação suficiente para poder dizer o que gerou esse tipo de inconsistência\\”, disse na entrevista.

O MEC criou um email para receber reclamações de candidatos que se sentiram prejudicados: enem2019@Inep.gov.br

O ministro só se pronunciou pelas redes sociais.

\\”Houve inconsistência no gabarito de algumas provas do Enem 2019 e, por isso, candidatos foram surpreendidos com os resultados de suas notas\\”, escreveu o ministro, na publicação do vídeo. Ele prometeu corrigir as falhas até segunda-feira.

Weintraub havia comemorado em diversas ocasiões que a última edição do exame, a primeira sob o governo de Jair Bolsonaro, havia sido a melhor de todos os tempos por falhas não terem sido registradas.

No entanto, uma imagem da prova havia vazado horas enquanto os candidatos ainda faziam a prova. Apesar da falha de segurança, o ministro afirmou na época que a divulgação da imagem não prejudicou o andamento do exame.

Na sexta-feira (17), o ministro criticou a Folha ao afirmar que reportagens publicadas pelo jornal levantavam dúvidas sobre a boa realização do exame.

A permanência de Weintraub no MEC em 2020 foi colocada em dúvida por vários aliados do governo. Bolsonaro, entretanto, confirmou sua permanência até agora.

O Enem foi transformado em vestibular nacional em 2009, durante o governo do PT, quando passou a ter o formato atual. Já naquele ano a prova vazou e o exame teve que ser adiado.

No ano seguinte, em 2010, houve uma falha relacionada ao gabarito, similar a deste ano. As folhas dos gabaritos traziam indicações erradas com relação a cor e o problema foi identificado ainda no dia do exame por participantes.

Houve novo problema em 2011, com vazamento de questões do pré-testes e Fortaleza. A partir de 2012 o Inep consolidou a questão logística da prova, com erros considerados pontuais ao longo dos últimos anos.

NOTAS


As notas no exame dão acesso às vagas em universidades federais e a programas como o ProUni (Programa Universidade para Todos) e o Fies (Financiamento Estudantil).

Os estudantes podem consultar o desempenho na prova desde a manhã desta sexta. O acesso às notas é feito pela página do participante ou no aplicativo do Enem.

O acesso exige login com CPF e senha. Para quem esqueceu a senha, o sistema permite recuperá-la —o código cadastrado é enviado para o email do participante.

Os estudantes terão acesso às pontuações da redação (que varia de 0 a 1.000) e de cada uma das quatro áreas do conhecimento da prova: linguagens, ciências humanas, ciências da natureza e matemática.

Como o Enem é elaborado com a chamada TRI (Teoria da Resposta ao Item), as notas de cada área do exame não refletem apenas a quantidade de itens certos. O desempenho do participante depende também de quais questões foram assinaladas corretamente. Fonte: Uol.com

Campartilhe.

Comentários desativados.